22 de agosto de 2015

Geografia Bíblica - Israel: O solo sagrado por excelência

antigo-testamento-danilo-moraesIsrael, palmilhando a Terra Santa

INTRODUÇÃO

Quando lemos a Bíblia, deparamo-nos com centenas de nomes de lugares da Terra Santa, onde desenvolveu-se a maravilhosa História da Salvação. Movidos por irre­primível curiosidade, desejamos conhecer tudo isso "in lo­co". Nem sempre, porém, é possível fazê-lo.

- E por que não visitá-los, então, espiritualmente?

Apelemos, pois, à Geografia Bíblica. Nas asas de suas minuciosas e exatas descrições, voemos a Israel. Palmilhe­mos os lugares percorridos pelos patriarcas, profetas e apóstolos. Divisemos, em cada mapa, o meigo Salvador. Km cada acidente geográfico, a relevância do amor de Deus.


I - A HISTÓRIA DE ISRAEL COMEÇA NO CRES­CENTE FÉRTIL

O Crescente Fértil, não obstante sua vital importân­cia à História da Salvação, é um insignificante retângulo localizado na Ásia Ocidental. Encerrando uma área de 2.184.000 km , representa apenas a 234ª parte da superfície da Terra. Essa região estende-se em forma semicircular entre o Golfo Pérsico e o Sul da Palestina.


A história dessa região pode ser resumida em uma sé­rie de lutas entre os habitantes das serranias e as tribos nô­mades do deserto. Todos queriam apossar-se dessas fertilíssimas terras. O lado oriental dessas místicas paragens serviu de berço à humanidade e de cenário à primeira civi­lização. Em suas grandes depressões, ascenderam e caíram os impérios dos amorreus, assírios, caldeus e persas.

No Crescente Fértil, conhecido, também, como Mesopotâmia (literalmente "entre rios"), floresceram duas grandes civilizações: ao norte, a Assíria; ao Sul, a Babilô­nia ou Caldeia. Os rios Tigre e Eufrates cercam esse miste­rioso território, ocupado, atualmente, pelo Iraque. O Jar­dim do Éden, segundo a narrativa bíblica, localizava-se nas nascentes de ambos os rios.

Foi em Ur dos Caldeus, uma das mais progressistas e desenvolvidas cidades do Crescente Fértil, que teve início a história de Israel. Tudo começou com a chamada de Abraão, o pai do povo escolhido.



II - VAMOS A ISRAEL?

A partir de agora, portanto, voaremos à Terra Santa. Será uma viagem muito interessante. Percorreremos planícies. Visitaremos cidades. Entraremos em Jerusalém, a cidade do Grande Rei. Mergulharemos no rio Jordão. Su­biremos aos montes. Enfim, à semelhança dos espias de Josué, reconheceremos o solo sagrado, do qual mana leite e mel.



O solo sagrado por excelência


INTRODUÇÃO

Uma nação paupérrima territorialmente, assim é Is­rael, um dos menores países do mundo. Em seu exíguo so­lo, entretanto, desenrolou-se todo o nosso drama espiri­tual. Terra mística e abençoada, serviu de berço a patriar­cas, profetas, juizes, reis, sábios e justos. Guardada pelo Todo-poderoso, acolheu em seus áridos regaços o Salvador da humanidade.

Não obstante suas acanhadas possessões geográficas. a Terra Santa sempre foi um pomo de discórdia entre os homens. Localizada no centro do globo, torna-se, a cada dia, mais polêmica. Todos preocupamo-nos com o seu fu­turo. Em seu amanhã, está o nosso porvir!

Com a criação do Estado de Israel, em 1948, a herança abraâmica centrou-se, mais visivelmente, em nossos estudos escatológicos. Divisamos, no renascimento do minús­culo país semita, a aproximação da volta de Cristo.

Vale a pena, portanto, conhecer a geografia das terras pisadas pelo meigo .Jesus. Israel é o solo sagrado por exce­lência.


I - NOMES DE ISRAEL

Tanto na história sagrada, como na secular, a Terra de Israel recebeu várias designações. Cada nome por ela recebido encerra um drama vivido pelo povo de Deus. Des­de a Era Patriarcal até os nossos dias, as mais variadas no­menclaturas têm sido dadas ao território israelita. Para os hebreus, entretanto, o seu sagrado solo nunca deixará de receber esse carinhoso tratamento: Terra Prometida.


1 - Canaã

Após a dispersão da humanidade, ocorrida quando da construção da Torre de Babel, os descendentes de Canaã. filho de Cara e neto de Noé, fixaram-se nas terras que se­riam entregues a Abraão. Isso ocorreu há mais de dois mil anos antes de Cristo. Nessas paragens, conhecidas por sua fertilidade e riquezas naturais, os cananeus multiplica­ram-se sobremaneira.

Esse país, a partir de então, passou a ser conhecido como Canaã, o mais antigo nome do território israelita. Eis o significado literal desse nome: "habitantes de terras bai­xas". Tendo em vista essa etimologia, concluímos: os ca­naneus adoravam as planícies!

Os descendentes de Canaã, depreendemos das Sagra­das Escrituras, dominavam do Mediterrâneo ao rio Jor­dão.

Com o passar dos séculos, Canaã passou a ter uma co­notação poética. Lembra esse nome aos judeus, "...uma terra boa e ampla, terra que mana leite e mel" (Ex 3.8).


2 - Terra dos Amorreus

O território que Deus entregou aos judeus era conheci­do na antigüidade, também como Terra dos Amorreus. Essa designação é encontrada tanto no Antigo Testamento, como nos escritos profanos. E um dos mais antigos no­mes da Terra Santa.


O solo, depois de irrigado, transforma-se em um autêntico jardim


3 - Terra dos Hebreus

De conformidade com a árvore genealógica de Sem, os israelitas são descendentes de Héber. O território judaico, por esse motivo, era conhecido, ainda como Terra dos Hebreus. Nesses rincões, os santos patriarcas forjaram a nacionalidade hebraica e deram corpo e colorido ao seu idioma.

A palavra hebreu, entretanto, segundo alguns exege-tas, pode significar, de igual modo, "o que vem do outro la­do, ou do além". Trata-se de uma referência à peregrina­ção abraâmica, de Ur a Canaã. Todavia, preferimos a pri­meira explicação, por estar mais de acordo com os recla­mos da língua hebraica.


4 - Terra de Israel

Sob o comando de Josué, os israelitas tomaram Ca­naã, no Século XV a.C. A partir de então, passaram as possessões cananéias a ser designadas desta forma: Terra de Israel. Não há nomenclatura tão apropriada como essa! Ela encerra a maioria das promessas divinas a Abraão e compreende a essência das realizações terrestres do Milê­nio.

Esse é o nome mais comum da Terra Santa. Encon­tramo-lo, com freqüência, no Antigo Testamento. Consti­tui-se, ainda, em um perpétuo memorial: Esse território é de propriedade permanente do povo de Israel! Quer os gentios admitam ou não, a terra que mana leite e mel pertence à progênie abraâmica.

Após o cisma do reino salomônico, essa nomenclatura passou a designar, apenas, as terras ocupadas pelas 10 tri­bos do Norte, comandadas pelo idolatra e profano Jeroboão. Com os exílios, a Terra de Israel torna-se um nome esquecido. Durante mais de dois mil anos, o território is­raelita recebeu as mais vexatórias alcunhas. No entanto, com a criação do moderno Estado de Israel, todo o escárnio que pesava sobre os descendentes de Jacó foi tirado. Hoje, quando viajamos àquelas sagradas paragens, dizemos em­bevecidos: "Vou à 'Ferra de Israel."


5 - Terra de Judá

Depois de vencer os cananeus, .Josué passou a dividir a Terra da Promessa. Coube à tribo de Judá. uma herança localizada no Sul dessas inebriantes possessões. O territó­rio herdado pelo mais intrépido e bravo filho de Israel ficou conhecido como Terra de Judá.

Contudo, após o cisma do reino davídico, ocorrido no ano 931 a.C, essa designação passou a incluir, também, as terras ocupadas pela tribo de Benjamim.

Terminado o cativeiro babilônico, em 538 a.C. o povo de Judá retorna à sua herança, sob o comando de Zorobabel. Inspirados pela liderança eficaz de Neemias, pela eru­dição de Esdras, pelo zelo sacerdotal de -Josué e pelo fervor profético de Ageu e Zacarias, os judeus reorganizam-se na­cionalmente.

A partir desse renascimento parcial da soberania hebraica, as possessões abraâmicas passaram a ser desig­nadas como Terra de Judá. E, seus habitantes, conseqüen­temente, começaram a ser chamados de judeus.


6 - Terra Prometida

No Século XX a.C, Deus fez a seguinte promessa a Abraão: "Sai-te da tua terra, e da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te aben­çoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti se­rão benditas todas as famílias da terra. Assim partiu Abrão, como o Senhor lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da idade de setenta e cinco anos, quando saiu de Harã" (Gn 12.1-4).

Com essa sublime promessa de Deus a Abraão, o terri­tório israelita passou a ser conhecido como Terra Prometi­da. Esse nome, poético e trágico, evoca as mais elevadas recordações na peregrina alma do povo escolhido. Por cau­sa desse chão de promessas, os israelitas, há mais de dois mil anos longe de seu lar, instalam-se em sua terra e pro­vam estar a bênção abraâmica mais atual do que nunca.


7 - Terra Santa

Zacarias, um dos mais escatológicos profetas do Anti­go Testamento, vaticinou: "Exulta, e alegra-te. ó filha de Sião, porque eis que venho, e habitarei no meio de ti, diz o Senhor. E naquele dia, muitas nações se ajuntarão ao Se­nhor, e serão o meu povo: e habitarei no meio de ti, e saberás que o Senhor dos Exércitos me enviou a ti. Então o Se­nhor possuirá a Judá como sua porção na terra santa, e ainda escolherá .Jerusalém" (Zc 2.10-12).

Não obstante as guerras, os embates políticos e os con­flitos sociais, Israel é conhecido como a Terra Santa. Os ju­deus veneram-na como o solo de seus antepassados e o ter­reno de sua milenar esperança. Têm-se os cristãos como o berço do Salvador e o regaço da regeneração da raça huma­na. Para os árabes, trata-se de um campo etéreo e permea­do de mistérios celestiais.

Em pleno alvorecer do Terceiro Milênio, milhares de caravanas judaicas, cristãs e árabes rumam à Terra Santa. Nenhum outro país é tão místico quanto Israel! Visitá-lo constitui-se no sonho de milhões de seres humanos.


8 - Palestina

Israel é conhecido, também, como Palestina. Esse nome é oriundo da palavra Filistia, que designava a faixa de terra habitada pelos antigos filisteus, localizada no Su­deste de Canaã, ao largo do mar Mediterrâneo. Esse povo era ferrenho inimigo dos hebreus e causou muitas dificul­dades aos primeiros monarcas israelitas.

No período neo-testamentário, o historiador Flávio Josefõ cognominou todo o território israelita de Palestina. Desde o domínio romano até a fundação do Estado de Is­rael, em 12 de maio de 1948, a terra dos judeus era conheci­da em todo o mundo como Palestina. Atualmente, contu­do, o nome de Israel tornou-se, novamente, predominante.


II - LOCALIZAÇÃO

A Terra de Israel está localizada no continente asiáti­co. Tendo em vista o seu posicionamento estratégico, constituiu-se, "num centro de gravidade para o mundo e as ci­vilizações da antigüidade."

"Do ponto de vista comercial, fica­va na rota obrigatória do tráfego entre o Oriente e o Oci­dente, bem como entre o Norte e o Sul; e, do ponto de vista político, igualmente passagem inevitável dos exércitos conquistadores das grandes potências ao seu redor, razão pela qual estas se interessavam por sua conquista e fortificação. Daí as devastações sofridas pela Palestina em repe­tidas ocasiões da sua história."



III - LIMITES BÍBLICOS

Ao norte, limita-se a Terra de Israel com a Síria e a Fenícia. Ao leste, com partes da Síria e o deserto arábico. Ao sul, com a Arábia. A oeste, com o mar Mediterrâneo.

Esses limites, entretanto, variavam de acordo com as tendências políticas e os movimentos militares de cada época. Constantemente, os israelitas tinham o seu território alargado ou diminuído. No tempo de Salomão, por exem­plo, as fronteiras de Israel dilataram-se consideravelmen­te. Depois de sua morte, contudo, as possessões hebraicas foram diminuindo, até serem absorvidas pelos grandes im­périos.


IV - LIMITES ATUAIS

O moderno Estado de Israel limita-se ao norte, com o Líbano; a leste, com a Síria e a Jordânia; ao sul, com o Egi­to; e, a oeste, com o mar Mediterrâneo. De exíguas dimen­sões, sua área não chega a 22.000 km. Como já dissemos, é um dos menores países do mundo.

No entanto, as fronteiras do território hebraico foram sobremodo alargadas durante a Guerra dos Seis Dias, ocor­rida em junho de 1967. Depois desse conflito, os limites is­raelenses foram dilatados em aproximadamente 400 por cento.

ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Geografia Bíblica, Rio de Janeiro : CPAD, 1987.