27 de janeiro de 2015

Yahweh versus Marduque - A polêmica teológica em Isaías 40.25-26

INTRODUÇÃO

Diante da derrota de Judá para os babilônios, com uma boa parte do povo exilado em terra estrangeira e a destruição final de Jerusalém por Nabucodonosor, um questionamento natural, certamente, brotaria no coração dos judeus: “Será que Yahweh é, de fato, o Rei e Deus Soberano da história? Será que Ele teria poder para vencer impérios e trazer seu povo de volta à terra natal?”.1  No pensamento do Oriente Médio Antigo, a vitória de uma nação sobre outra não apenas implicava supremacia militar, mas também, indicava a superioridade do deus vitorioso sobre a divindade do povo vencido, como os babilônios fizeram questão de enfatizar quando alcançaram sua independência em relação aos assírios e os derrotaram, no final do século VII a.C:

O estado dos acontecimentos mudou quando Nabopolasar, no final do século VII, uma vez mais, reivindicou o controle independente da Babilônia. Marduque triunfou sobre Ashur. Ele, novamente, é o grande deus, o senhor dos deuses, o supremo rei de Igigi, pai de Annunaki – todos os títulos que os assírios gostavam de acumular sobre Ashur. Pode-se perceber a ansiedade de Nabopolasar em enfatizar a nova ordem das coisas, ao atribuir a Marduque o que, anteriormente, fora reivindicado para Ashur.2

A riqueza do império babilônio, seus belos templos e festivais pomposos, além do conforto que a comunidade judaica de exilados desfrutava, certamente, formavam um quadro tentador para a apostasia hebraica.3 

Perante tal situação, a mensagem visionária de Isaías (Is 40 - 55) oferecia uma resposta teológica profunda e pertinente ao povo cativo, mostrando Yahweh como o Soberano da história, o Deus supremo e singular.4  O texto de Isaías 40.25-26 é um exemplo disso, em que o profeta do século VIII faz uso da polêmica como recurso literário para enfatizar a supremacia de Yahweh sobre os deuses babilônios. A fim de se compreender a polêmica teológico-literária em questão, é necessário um entendimento adequado do contexto religioso da época.

A PERSPECTIVA RELIGIOSA BABILÔNICA
A religião babilônica era politeísta, formada por um panteão com vários deuses de origem suméria, assimilados pelos semitas que ali vieram habitar, especialmente a partir da época do reinado de Hamurabi (século XVIII a.C.).5  Os deuses estavam ligados a objetos ou fenômenos da natureza, como os rios, a tempestade, a fertilidade da terra, entre outros, dentre os quais recebiam proeminência o sol e a lua. Portanto, o sistema de crenças era, basicamente, animista. 6 Cada cidade-estado possuía um deus patrono principal, e, às vezes, uma divindade de importância primária num determinado centro urbano poderia ser considerada secundária em outra cidade: 7

Embora Ea, por exemplo, recebesse o primeiro lugar em Eridu e era caracteristicamente sumério, o deus-lua Nannar permaneceu supremo em Ur, enquanto o deus-sol, cujo nome semítico era Shamash, presidiu em Larsa e Sippar.8
Entre os deuses babilônios principais figuravam a tríade Anu – o deus-céu; Enlil/Ellil – o deus do ar e tempestades, e, posteriormente, o deus da terra; Ea – o deus das águas profundas e da sabedoria. Além deles, havia Sin – o deus-lua; Shamash – o deus-sol; Anshar – o pai dos céus; Ishtar – a deusa do amor e da guerra, associada a Vênus; Marduque – o deus da cidade de Babilônia e que, posteriormente, absorveu a qualidade dos antigos deuses e os substituiu, considerado o filho de Ea;  Nebo, filho de Marduque – anteriormente, o deus da agricultura, tornou-se, depois, o deus da escrita; Nergal – o deus do mundo inferior; Tamuz – o deus da vegetação e fertilidade.9 

A grande corrente de ideias religiosas sofreu mudanças de tempos em tempos e os próprios deuses mudaram de locais, identidade e funções, conforme os movimentos políticos e outras transformações.10  Com a supremacia dos amorreus, a adoração a Marduque se tornou a principal na Babilônia,11  e o poema épico de Enuma Elish é desenvolvido a fim de validar a posição de Marduque como o maior de todos os deuses, por sua vitória sobre a deusa Tiamat e por ser tanto o criador como o restaurador da ordem do universo.12 

A adoração primitiva animista ao sol, à lua e às estrelas conduziu a um sistema religioso astral mais complexo, o qual ligava os planetas e outras estrelas específicas a deidades particulares.13  “Tal processo que alcançou seu ápice no período pós-hamurábico, levou a identificar o planeta Vênus com Ishtar, Júpiter com Marduque, Marte com Nergal, Mercúrio com Nebo”.14 

O sistema representa uma harmoniosa combinação de dois fatores, um de origem popular e outro como resultado da especulação das escolas ligadas aos templos da Babilônia. O fator popular é a crença na influência exercida pelos movimentos dos corpos celestiais sobre os acontecimentos na terra – uma crença, naturalmente, compreensível pela dependência da vida, vegetação e orientação dos dois grandes luminares. A partir de tal crença, os sacerdotes construíram a teoria da correspondência íntima entre as ocorrências na terra e os fenômenos nos céus. Diante da apresentação de uma mudança constante nos céus, ainda que ao observador superficial, concluiu-se que havia uma relação entre as mudanças e os movimentos sempre mutáveis nos destinos de indivíduos, na natureza e na aparência desta.15
Divindades originalmente solares como Ninibe, associado ao sol da manhã, Marduque, relacionado ao sol do início da primavera, e Nergal, ligado ao sol do meio-dia e do solstício de verão, passaram a ser identificadas pela posição dos planetas em referência ao sol em determinados períodos do dia e do ano. Assim, associou-se Ninibe com Saturno, Nergal com Marte e Marduque com Júpiter.16  Este último, por ser aparentemente o maior aos olhos dos astrônomos babilônios, acabou por receber a posição de chefe do panteão estrelar, antes conferida a Shamash, o deus-sol.17 

Da mesma forma que o sol era chamado de Pastor18  e considerado o supervisor dos planetas, o qual atravessava os céus para verificar se tudo estava em perfeita ordem,19  assim também Marduque passou a ser intitulado e estimado.20  Na verdade, acreditava-se que, quando o sol morria no final de tarde, ele ressuscitava nos céus como Júpiter para pastorear o seu rebanho de estrelas.21  No épico de Enuma Elish, Marduque é apresentado como o criador das estrelas e dos signos do zodíaco, por meio dos quais dividiu o ano em doze meses; além disso, ele fixou a lua nos altos céus e determinou seu ciclo mensal em relação ao sol.22 

Tendo esta compreensão acerca da ênfase animista e astral da religiosidade babilônica, além do importante papel que Marduque ocupava dentro da cosmologia mitológica, abre-se o caminho para a interpretação da polêmica em Isaías 40.25-26.

A POLÊMICA ISAIÂNICA EM PROL DA SINGULARIDADE E SUPREMACIA DE YHWH
Como bem destacou Thomas Constable, após mostrar a superioridade de Yahweh sobre os governantes terrenos, contrastando a transcendência de Deus com a temporariedade deles (Is 40.21-24), agora, o profeta retrata a supremacia de Yahweh sobre as “divindades”, por ser o Criador dos corpos celestiais (40.25-26).23 

Os verbos hebraicos usados por Deus, em seu questionamento (v. 25), polemizam contra os deuses babilônios, pois enquanto estes eram representados por imagens em seus templos24  e associados com os fenômenos da natureza ou com os corpos celestiais, como sol, lua, estrelas e planetas,25  o Deus de Israel não poderia ser representado ou imaginado (dāmâ - grau Piel) nem comparado a nada (šāwâ).

Marduque, o grande deus de Babilônia, encontrava sua identidade no planeta Júpiter,26  e era representado pela figura mitológica de um ser com longos membros e quatro cabeças.27  De modo distinto, Yahweh, por ser o Santo, não pode ser igualado a nenhum ser criado, “Ele é o totalmente outro”.28 

A perspectiva dos deuses babilônios era marcantemente antropomórfica, pois havia a crença de que eles comiam e bebiam as ofertas de seus adoradores e, geralmente, era aceito que mantinham relações sexuais com as sacerdotisas dos templos.29  Tal visão é, ainda, realçada pelos barcos encontrados nos templos, dentro dos quais os deuses eram carregados durante as procissões.30  Em evidente contraste, Yahweh é totalmente distinto e superior a estes deuses, pois é o Santo (v. 25), o transcendente, aquele que está acima de sua criação (cf. 40.22).31 

O versículo 26 ressalta a polêmica contra Marduque e contra a pretensa reivindicação de sua superioridade por parte de seus adoradores.  Como já destacado, no mito de Enuma Elish, Marduque é o criador das estrelas e aquele que fixa os signos do Zodíaco.32  Deve ser acrescentado, também, que o grande deus babilônio cria os céus a partir de matéria pré-existente, isto é, o corpo da deusa derrotada Tiamat.33 

Dentro de tal contexto cultual, Isaías desafia as afirmações religiosas dos caldeus e diz que Yahweh é o criador (bārā’) dos corpos celestiais (ṣāḇā’), não Marduque. O verbo hebraico bārā’ (“criar”; “fazer”), no grau Qal, enfatiza o ato de iniciar algo novo, trazer à existência um objeto ou ser que até então não havia, em contraste com o ato de formar algo a partir de material pré-existente.34  Portanto, o poder do Deus de Jacó, que criou os céus e os astros a partir do nada por Sua palavra criadora (cf. Gn 1), é claramente maior que o de Marduque que precisou usar o corpo de Tiamat para criar os céus, dentro da cosmologia mitológica.

 Yahweh, ainda, mantém, soberanamente e com poder, a ordem do universo, de modo que nenhuma das inumeráveis estrelas deixa de se submeter ao seu comando (mērōḇ ’ônîm we’ammîṣ kōaḥ ’îš lō’ ne‘dār). Todos os corpos celestiais (representantes das divindades babilônicas), inclusive o próprio planeta Júpiter (representante de Marduque), estavam debaixo da autoridade e controle do Deus de Israel.35  Enquanto os babilônios adoravam os corpos celestiais e criam que os destinos dos homens eram determinados por seus movimentos fixos,36  Israel adorava o Deus que determinava o movimento dos astros (v. 26) e a ele poderiam confiar o seu futuro (40.27-31).

Na polêmica contra os deuses babilônios, Isaías faz seu dever de casa, inspirado por Deus e de modo objetivo, demonstrando a grande tolice de abandonar o Santo de Israel pelos deuses babilônios:

Teologicamente, os babilônios criam em seres de grande poder nos céus ... Mas o que são estes planetas? Eles são subalternos dirigidos por Yahweh e nenhum deles ousa chegar atrasado na parada militar (v. 26b). Imagine quão risível o pensamento de que Yahweh poderia ser o mesmo tipo de ser. Comparados com Yahweh os deuses babilônios são insignificantes.37
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA
BRIGHT, John. História de Israel. 7 ed. São Paulo: Paulus, 2003.
CALVIN, John. Commentary on the prophet Isaiah. Albany, OR: AGES, 1998. v. 2.
CONSTABLE, Robert L. Notes on Isaiah. Disponível em www.soniclight.com. Acessado em Junho de 2008.
DOUGLAS, J.D (ed.). O novo dicionário da Bíblia. São Paulo: Junta Editorial Cristã, 1966. v. 1.
GOLDINGAY, John. Isaiah. New International Biblical Commentary Series. Peabody, MA: Hendrickson, 2001.
HARRIS, Laird R., ARCHER, Gleason L, Jr., WALTKE, Bruce K (orgs.). Dicionário internacional de teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998.
JASTROW, Morris. The religion of Babylonia and Assyria. Boston, USA: Ginn and Company, 1893.
LEICK, Gwendolyn. A dictionary of Ancient Near Eastern Mythology. New York, NY: Routledge, 2003.
MACKENZIE, Donald A. Myths of Babylonia and Assyria. September, 2005. Disponível em http://manybooks.net. Acessado no Primeiro Semestre de 2009.
MERRIL, Eugene H. História de Israel no Antigo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2001.
ORR, James. The international Standard Bible encyclopedia. Grand Rapids, Michigan: Eerdans, 1939. (Versão eletrônica).
RAWLINSON, George. The seven great monarchies of the ancient eastern world. [s.l.]: [s.d]. v. 4.
RIDDERBOS, J. Isaías: introdução e comentário. Série Cultura Bíblica. 2 ed. São Paulo: Vida Nova, 1995.
RUSSELL, Rusty. Babylonia. Bible History Online, 2001. (Programa eletrônico disponível em http://www.bible-history.com).
VON RAD, Gerhard. Teologia do Antigo Testamento. 2 ed. São Paulo: ASTE, 2006.
WIKPEDIA. Religions of the Ancient Near East. Disponível em http://en.wikipedia.org/wiki/Religions_of_the_Ancient_Near_East. Acessado em 19 de Outubro de 2009.

_______________________________
1BRIGHT, John. História de Israel. 7. ed. São Paulo: Paulus, 2003. p. 425; CALVIN, John. Commentary on the prophet Isaiah. Albany: AGES, 1998. v. 2. p. 71.
2JASTROW, Morris. The religion of Babylonia and Assyria. Boston: Ginn and Company, 1893. p. 116.
3BRIGHT, John. Op. cit. p. 417; RAWLINSON, George. The seven great monarchies of the ancient eastern world. [s.l.]: [s.d]. v. 4. p. 87-88.
4Cf. VON RAD, Gerhard. Teologia do Antigo Testamento. 2 ed. São Paulo: ASTE, 2006. p. 663-665.
5WISEMAN, D.J. “Babilônia, terra de”. In: DOUGLAS, J.D (ed.). O novo dicionário da Bíblia. São Paulo: Junta Editorial Cristã, 1966. v. 1. p. 186-187; RUSSELL, Rusty. Babylonia. Bible History Online, 2001. (Programa eletrônico disponível em http://www.bible-history.com). Verbetes “Babylonian Gods”, “The Babylonian Pantheon of gods”. 
6ROGERS, Robert W. “Babylonia and Assyria, religion of”. In: ORR, James. The international Standard Bible encyclopedia. Grand Rapids, Michigan: Eerdans, 1939. (Versão eletrônica).
7MACKENZIE, Donald A. Myths of Babylonia and Assyria. September, 2005. Disponível em http://manybooks.net. Acessado no Primeiro Semestre de 2009. p. 26.
8Idem. Ibid.
9RUSSELL, Rusty. Op. cit. Verbete “The Babylonian Pantheon of gods”; ROGERS, Robert W. Op cit. (Versão eletrônica); WISEMAN, D.J. Op cit. 186-187; RAWLINSON, George. Op cit. p. 87.
10ROGERS, Robert W. Op. cit. (Versão eletrônica).
11WISEMAN, D.J. Op. cit. 187.
12LEICK, Gwendolyn. A dictionary of Ancient Near Eastern Mythology. New York, NY: Routledge, 2003. p. 52-55.
13JASTROW, Morris. Op cit. p. 229-230
14WIKPEDIA. Religions of the Ancient Near East. Disponível em http://en.wikipedia.org/wiki/Religions_of_the_Ancient_Near_East. Acessado em 19 de Outubro de 2009.
15Idem. Ibid. Cf. RUSSELL, Rusty. Op cit. Verbete “Astrology”.
16JASTROW, Morris. Op cit. p. 231.
17Idem. p. 230.
18Um título, geralmente, associado aos reis do Oriente Antigo, provindo da vida marcantemente agro-pastoril dos povos daquela época. Ver JASTROW, Morris. Op cit. p. 231.
19Idem. p. 231.
20MACKENZIE, Donald A. Op cit. p. 126-128.
21Idem. p. 128.
22LEICK, Gwendolyn. Op cit. p. 54.
23CONSTABLE, Robert L. Notes on Isaiah. Disponível em www.soniclight.com. Acessado em Junho de 2008. p. 158.
24RAWLINSON, George. Op cit. p. 88.
25WIKPEDIA. Religions of the Ancient Near East.; JASTROW, Morris. Op cit. p. 230-231.
26WIKPEDIA. Religions of the Ancient Near East.
27LEICK, Gwendolyn. Op cit. p. 53.
28CONSTABLE, Robert L. Op cit. p.158.
29RAWLINSON, George. Op cit. p. 88; JASTROW, Morris. Op cit. p. 332-333.
30JASTROW, Morris. Op cit. p. 330-331.
31RIDDERBOS, J. Isaías: introdução e comentário. Série Cultura Bíblica. 2 ed. São Paulo: Vida Nova, 1995. p. 325.
32MACKENZIE, Donald A. Op cit. p. 130; LEICK, Gwendolyn. Op cit. p. 54.
33LEICK, Gwendolyn. Op cit. p. 54.
34MCCOMISKEY, Thomas E. “בָּרָא”. In: HARRIS, Laird R., ARCHER, Gleason L, Jr., WALTKE, Bruce K (orgs.). Dicionário internacional de teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998. p. 212-213.
35GOLDINGAY, John. Isaiah. New International Biblical Commentary Series. Peabody, MA: Hendrickson, 2001. p. 227-228; CALVIN, John. Op cit. p. 72-73.
36RUSSELL, Rusty. Op cit. Verbete “Astrology”.
37GOLDINGAY, John. Op cit. p. 227-228.

Fonte: http://www.teologiabrasileira.com.br/
Autor: Tiago Abdalla Neto