3 de outubro de 2013

Thomas L. Constable - Uma teologia de Josué, Juízes e Rute: Introdução

Como alguém lendo o texto da Bíblia pode determinar quais revelações
são importantes e quais são secundárias? Tudo o que Deus preservou na Bíblia
não é importante? Será que alguém teria a audácia de classificar a revelação em
termos de significação?
A única base para fazermos esta distinção tem de ser o próprio texto. O
que os escritores bíblicos, guiados pelo Espírito Santo, enfatizam quando es-
crevem? Podemos responder a esta pergunta apenas descobrindo as palavras,
frases, idéias, temas e padrões estruturais que eles usaram quando escreveram.
Estes identificam os principais temas em determinada peça literária. Observan-
do os temas é possível descobrirmos o que era importante para os escritores.


Considerando que os livros de Josué, Juízes e Rute registram um segmento
da história de Israel, é importante considerarmos o contexto histórico no qual
essa história ocorreu. Como é que o conteúdo dos livros se relaciona com aquele
que o precede (o Pentateuco) e com o que se segue (Samuel, Reis, etc.)? A res-
posta a esta pergunta constitui a primeira parte deste capítulo. Examinaremos o
conteúdo destes livros mais particularmente. Ficará claro que certos temas im-
portantes ocorrem em todos os três livros. Destacaremos os temas particulares
de cada um deles.

JOSUÉ, JUÍZES E RUTE NO CONTEXTO DA REVELAÇÃO BÍBLICA

Observemos como o período da história de Israel registrado nestes livros
se ajusta com a extensão maior dos procedimentos de Deus para com esse povo
a fim de avaliarmos com precisão o que Deus queria ensinar-lhes com estes
escritos.

Os israelitas consideravam os procedimentos de Deus para com eles na
história, tão reveladores quanto qualquer mensagem verbal entregue por um
profeta de Deus. Isto está claro por terem colocado Josué e Juízes na antiga
seção dos Profetas da Bíblia hebraica.  Consideravam estes registros históricos
como revelação autorizada de acontecimentos escolhidos por Deus para ensinar
importantes lições espirituais. O autor divino escolheu somente certos episó-
dios para constar nos livros históricos do Antigo Testamento — aqueles com
significação espiritual permanente (2 Tm 3.16,17).

ZUCK, Roy B. Teologia do Antigo Testamento : CPAD, 2009.