14 de outubro de 2013

Gleason L. Archer - 1 e 2 Samuel: Esboço

Na sua forma mais antiga, a Bíblia Hebraica parece ter con-
siderado os dois Livros de Samuel como sendo um Livro único. O
mesmo caso se dá com I e II Reis. Baseado nisto, Josefo, no primei-
ro século a.C., calculou os livros do Antigo Testamento em vinte
e dois (cf. capítulo 5, págs. 60-61). Mas os judeus de Alexandria
reuniram tanto os livros de Samuel como os de Reis para formar
os livros dos “reinos” (basileiõn), passando então a subdividir
cada um deles até formar quatro livros dos “reinos”. A Vulgata
Latina no decurso do tempo abandonou o termo “livros dos reinos”
(libri regnõrum) e, voltando à divisão hebraica entre Samuel e
Reis, publicou os nomes que a Igreja Ocidental tem empregado des-
de então. (A Igreja Oriental, porém, ainda chama I e II Samuel
de I e II Reinos, e chama I e II Reis de III e IV Reinos). A Bíblia
Hebraica só começou a dividir Samuel e Reis em dois livros cada
quando saiu a edição de Bomberg.



I e II SAMUEL

O propósito destes Livros era registrar a fundação da monar-
quia hebraica. Incluem, portanto a) a carreira de Samuel, fun-
dador de reis,  b) a carreira de Saul, o rei infiel, que aban-
donando a aliança, se transformou em tirano; c) a carreira de
Davi, rei verdadeiramente teocrático, que fundou a dinastia perma-
nente e válida de cuja descendência surgiria o Messias.

Esboço de I Samuel

A. A Carreira de Samuel e a Libertação da Opressão dos Fi-
listeus, 1:1 — 7:17.A mãe de Samuel, e seu cântico, 1:1 — 2:10.
B. Aprendizagem de Samuel no Templo, 2:11 — 3:21.
C. O desastre de Siló e a morte de Eli, 4:1-22.
D. O cativeiro da arca na Filístia, 5:1 — 6:21.
E. A arca volta a Israel, 7:1-17.
I. O Surgimento do Rei Saul, 8:1 — 15:35.
A. Os israelitas pedem um rei, 8:1-22.
B. Saul ungido por Samuel e vindicado pela vitória, 9:1 —
11:15.
C. O discurso final de Samuel, 12:1-25.
D. Vitórias de Saul e Jônatas contra os filisteus, 13:1 —
14:52.
E. A campanha dos amalequitas e a desobediência de Saul,
15:1-35.
II. O Declínio de Saul e o Surgimento de Davi, 16:1 — 31:13.
A. Davi ungido por Samuel e apresentado na corte, 16:1-23.
B. Davi liberta Israel ao matar Golias, 17:1-58.
C. Davi foge ante os ciúmes de Saul, 18:1 — 20:42.
D. Davi peregrina como proscrito, 21:1 — 30:31.
E. Advertência final a Saul, e sua morte no monte Gilboa,
31:1-13.

Esboço de II Samuel

I. A Carreira de Davi como Rei sobre toda Judá e Israel, 1:1 —
14:33.
A. Lamentação de Davi pela morte de Saul e Jônatas, 1:1-27.
B. Davi coroado em Hebrom; a guerra com Abner, 2:1-32.
C. A defecção de Abner e seu assassinato por Joabe, 3:1-39.
D. O assassinato de Isbosete, 4:1-12.
E. Estabelecida a unidade nacional e religiosa, 5:1 — 6:23.
F. A aliança de Deus com Davi: Rei Messiânico, 7:1-29.
G. O reino de Davi se estende até os limites da terra pro-
metida, 8:1 — 10:19.
H. Davi peca com Bate-Seba, e se arrepende, 11:1 — 12:31.
I. Os crimes de Amnom e Absalom, 13:1 — 14:33.
II. Fase Final do Reinado de Davi, 15:1 — 24:25.
A. Rebelião de Absalom e sua derrota final, 15:1 — 18:33.
B. Davi restaurado ao poder, 19:1 — 20:26.
C. A fome, e a vingança dos gibeonitas contra os descen-
dentes de Saul, 21:1-14.
D. Guerras posteriores contra os filisteus, 21:15-22.
E. Salmo de louvor de Davi, e testemunho final, 22:1 —
23:7.
F. Lista dos heróis de Davi, 23:8-39.
G. Davi peca ao mandar fazer um recenseamento; a praga
se localiza nas imediações do templo, 24:1-25.

Fonte: ARCHER, Gleason L. Merece Confiança o Antigo Testamento? 4º ed. São Paulo : Vida Nova, 2003.