12 de setembro de 2013

Roland de Vaux - Os Filhos: O nascimento

Segundo o texto pouco claro de Êx 1.16, a mulher parturiente se sentava talvez sobre duas pedras separadas, que faziam as vezes da cadeira para dar à luz, cujo uso é atestado na época rabínica e em certos ambientes do Oriente moderno. Segundo Gn 30.3, Raquel pede que Biladê à luz sobre seus joelhos; Gn 50.23 diz que “os filhos de Maquir, filho de Manassés, nasceram sobre os joelhos de José”; Jó, amaldiçoando o dia de seu nascimento, lamenta que hou¬vesse dois joelhos para o acolher, Jó 3.12. De tudo isso concluiu-se que o nascimento era, às vezes, sobre os joelhos de uma outra pessoa, parteira ou membro da família, e o costume é, de fato, atestado fora de Israel. Mas a explicação é provavelmente mais simples: no caso de Raquel e no de José deve tratar-se de adoção, cf. Gn 48.12 , e Jó 3.12 fala dos joelhos da mãe que amamenta seu filho.


De Êx 1.9 se poderia deduzir que as mulheres israelitas tinham partos fáceis, como também hoje em dia, com freqüência, as camponesas e beduínas da Palestina. Mas esse texto isolado tem pouco peso ao lado da sentença dita¬da contra a mulher em Gn 3.16: “Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; com dores darás à luz filhos.” Isso representava a experiência comum, e as dores de parto são um termo de comparação freqüente entre os profetas, Is 13.8; 21.3; 26.17; Jr 4.31; 6.24; 13.21; 22.23; 50.43; cf. também Êx 15.14; Is 37.3 = II Rs 19.3; Os 13.13; SI 48.7. A mãe era assistida por uma parteira, Gn 35.17; 38.28, e Êx 1.15 indica que existiam parteiras profissio¬nais. Segundo Jr 20.15; cf. Jó 3.3, o pai não estava presente ao parto.

O bebê era lavado, esfregado com sal - as camponesas da Palestina dizem ainda hoje que isso o fortalece - e envolvido em fraldas, Ez 16.4; cf. Jó 38.8-9. Normalmente a mãe o amamentava, Gn 21.7; I Sm 1.21-23; I Rs 3.21; 11 Mb 7.27, mas às vezes o confiava a uma ama de leite, Gn 24.59; 35.8; Êx 2.7-9; Nm 11.12;
I Sm 4.4; n Rs 11.2, como se fazia também na Mesopotâmia e no Egito.

Desmamava-se a criança muito mais tarde que agora, cf. o caso de Samuel, I Sm 1.20-23, aos três anos, segundo II Mb 7.27, que era também a prática antiga na Babilônia. O final do aleitamento de Isaque foi marcado por uma festa, Gn 21.8.

VAUX, Roland de. Instituições de Israel no Antigo Testamento. Editora Teológica, 2003.