3 de setembro de 2013

Gleason L. Archer - O Extermínio dos Cananitas

Em alguns casos, tais como a conquista das cidades de Je-
rico e Ai, Josué registra que os israelitas exterminaram comple-
tamente os habitantes, conforme o mandamento do próprio Senhor.
Precisa ser enfatizado que a responsabilidade desta medida extrema
ficava com Deus (isto é, se for fidedigna a narrativa) mais do que
com os hebreus. Isto precisa ser enfatizado por causa da decla-
ração que se ouve freqüentemente em certos ambientes, que os
israelitas “primitivos, quase selvagens” praticaram esta atrocidade
por causa do atraso no seu desenvolvimento religioso. O texto re-
vela claramente que Josué estava simplesmente cumprindo ordens
divinas quando os habitantes foram indiscriminadamente mortos
ao fio da espada.


Qual seria a justificativa desta destruição total? A história
subseqüente de Israel serve para ilustrar de maneira marcante o
grave perigo que corriam os israelitas enquanto permitiam que
cananitas vivessem no seu meio. Sendo entregues às formas mais
degeneradas de politeísmo e impureza sexual, estes habitantes de-
pravados da terra certamente espalhariam uma influência maligna,
provocando uma infecção contagiosa na moral do povo da Aliança
de Deus. Recentes descobertas arqueológicas trouxeram a lume
provas concretas quanto aos aspectos brutais da fé cananita con-
forme se registra na literatura de Ras Shamra. Percebe-se na região
inteira uma disposição para incorporar nos ritos indígenas todos
os aspectos dos cultos praticados pelas nações pagãs das vizinhan-
ças. Assim, há uma série de divindades com nomes duplos: Teshube-
Hepa (o deus da tempestade dos hurrianos, e sua consorte); o
culto de Osíris-ísis do Egito; Shamash (o deu-sol) e Istar (a san-
güinária deusa da guerra e do amor) e Tamuz (deus de fertilidade)
da Mesopotâmia. Muitos sítios produziram esteias de serpentes,
e imagens de Astorete com símbolos sexuais. Levando em conta a
corrupta influência da religião cananita, especialmente com sua
prostituição religiosa (cf. a abominação de Baal-Peor em Nm 25)
e o sacrifício de criancinhas, seria impossível manter a pureza da
fé e do culto em Israel, a não ser através do extermínio dos próprios 
cananitas, pelo menos nas áreas que os próprios hebreus haveriam
de ocupar. Uma boa parte do declínio em coisas espirituais e da
apostasia que marcava a história de Israel durante a época dos
Juizes é atribuída à tolerância aos habitantes cananitas e à sua
religião degenerada no meio da terra.

Fonte: ARCHER, Gleason L. Merece Confiança o Antigo Testamento? 4º ed. São Paulo : Vida Nova, 2003.