16 de setembro de 2013

Gleason L. Archer - A Autoridade e a Unidade da Composição de Juízes

Apesar de ser possível deduzir a data aproximada da compo-
sição do Livro das informações dadas acima, a saber, 1.000 a.C., não
há nenhuma evidência clara quanto à identidade do autor. Seu
ponto de vista era inconfundivelmente profético, sendo que media
a história de Israel pelo padrão de fidelidade à aliança com o Se-
nhor. (Deve ser notado que o propósito deste Livro não é glorificar
os ancestrais de Israel, conforme certos escritores alegaram, porém
muito mais, glorificar a graça do Deus de Israel). Seria natura]
supor que OU Samuel, ou alguém entre seus discipulos 
tivesse sido responsável pela compilação desta história. Seja quem
for o autor, parece ter feito uso dalgumas fontes originais, algu-
mas das quais, pelo menos, devem ter sido escritas no dialeto do
norte de Israel, como Juizes 5 (o cântico de Débora) e o ciclo de
Gideão (caps. 6 — 8) onde surgem várias vezes casos do pronome

relativo she (que seria usualmente asher). Sejam quais forem as fon-
tes anteriores, a unidade do arranjo e da estrutura é inconfundível.
Todo o material de autoria foi disposto segundo um plano unitário
anterior, exibindo uma única idéia dominante: que o bem-estar de
Israel depende do seu relacionamento espiritual com o Senhor.

Fórmulas características são empregadas para introduzir ou encer-
rar cada estágio da narrativa. Uma introdução característica é: “Os
filhos de Israel fizeram o que era mau perante o SENHOR” (cf.
3:7, 12; 4:1; 6:1; 10:6; 13:1). Uma Seção freqüentemente encerra-
da com o comentário “então a terra ficou em paz [durante tantos]
anos”, como em 3:11, 30; 5:31; 8:28. Moeller (GATE 147) indica
que os quatorze juizes são dispostos de tal maneira que Otoniel e
Sansão ficam sozinhos no começo e no fim da série, mas os que
aparecem no meio usualmente vêm em pares. Assim, Sangar (3:31)
aparece como um breve acréscimo à história de Eúde (3:12-30);
Baraque, como é bem conhecido, forma par com Débora; há uma
certa conexão entre Gideão e seu filho natural Abimeleque — e
assim por diante. 

Fonte: ARCHER, Gleason L. Merece Confiança o Antigo Testamento? 4º ed. São Paulo : Vida Nova, 2003.