11 de julho de 2013

Tel Hazor - Descoberta excepcional

Um fragmento de uma esfinge de um rei egípcio, um dos construtores das pirâmides de Gizé, foi descoberto em escavações arqueológicas em Tel Hazor.

Esta é uma descoberta surpreendente em importância como esta de uma esfinge que só é conhecida no próprio Egito. É apenas um fragmento de escultura monumental majestoso descoberto em todo o Levante.

A descoberta também é evidência do glorioso e antigo poder egípcio nas terras do antigo Israel.



Na esfinge entre as patas dianteiras em hieróglifos inclui o nome do rei Mikrinos egípcio, do antigo reino, um dos conhecidos construtores das pirâmides de Gizé, que governou o reino no terceiro milênio AC. Além do nome do rei, o fragmento inclue títulos abordar as "manifestações divinas de entes ... que lhe deu a vida eterna."

A equipe de participantes das escavações está sendo liderada pelo setor de pesquisadores da Universidade Hebraica de Jeusalém, Prof Amnon Ben-Tor e Dr. Sharon Zuckerman Instituto de Arqueologia.

Segundo os pesquisadores, a inscrição indica que o lugar original era estava em Helio-polis, que está na Bíblia, que está localizada ao norte do Cairo hoje.

O conjunto arqueológico onde a esfinge está sendo revelada, está na camada onde aparece a destruição da cidade, que foi destruída durante o século 13 AC, na entrada do palácio da cidade. Os pesquisadores dizem ainda não estar claro, quando e em que circunstâncias a estátua foi trazida para Hazor.

De acordo com o professor Ben-Tor e Dr. Zuckerman, a probabilidade é de que a Esfinge foi trazida para Hazor, nos dias do rei cujo nome está gravado nele - Há muito pouco ou quase nenhuma informação sobre a existência de qualquer relação entre Israel e Egito no terceiro milênio AC, a estátua pode ter sido levada para ali no segundo milênio AC, durante a dinastia de reis conhecidos como os "hicsos" quando se originou a migração para a terra de Canaã.

Também é possível que a estátua fosse levada para ali entre o XIII-XV séculos AC, quando Canaã estava sob domínio egípcio, como um presente do rei do Egito ao rei de Hazor, o governador da cidade mais importante do sul do Levante na época.

Josué chamou a cidade dos Cananeus de Hazor como "a cabeça de todos estes reinos." A cidade teve relações culturais e comerciais com o Egito e a Babilônia, o que fica claramente revelado nos os documentos que escritos.

Tel Hazor é o maior e mais importante sítio arqueológico bíblico do país, e foi proclamado como Patrimônio Mundial pela UNESCO. Hazor em Israel é um também uma chave na Historiografia Bíblica.

As Escavações estão sendo dirigida por Shlomit Baker, um estudante de doutorado do Instituto de Arqueologia, patrocinado por Compania de Exploração de Israel Exploration e suas escavações estão sendo expostas no Salão de Frankfurt em cooperação com a Autoridade da Natureza e dos Parques de Israel.

Diretor do Cafetorah