5 de julho de 2013

Roland de Vaux - Sobrevivências do nomadismo

Nesse novo quadro mantiveram-se alguns costumes antigos, e as comparações que fizemos anteriormente com o nomadismo árabe invadiram com freqüência o período sedentário de Israel. A vingança de sangue, que é uma lei do deserto, se converteu em instituição permanente; nunca foi rompida a solidariedade do clã.

A língua, que é mais conservadora que os costumes, guardou a marca das experiências passadas. Temos aqui alguns exemplos: “tenda” se emprega para designar a casa dos sedentários, com freqüência em poesia, mas também na linguagem cotidiana, Jz 19.9; 20.8; I Sm 13.2; I Rs 8.66. Os soldados que debandam regressam
“cada um para a sua tenda”, I Sm 4.10; II Sm 18.17. Essa expressão não se manterá, porém, e um pouco mais tarde se dirá que cada um regressa “a sua casa”, l Rs 22.17, ou “a sua cidade” I Rs 22.36. O grito de rebelião, no tempo de Davi, será: “Cada um para a sua tenda, ó Israel.” II Sm 20.1, como também depois da morte de Salomão, I Rs 12.16. Para dizer que se sai muito cedo, emprega-se com freqüência um verbo que significa “carregar os animais”, Jz 19.9; I Sm 17.20, etc., que é uma expressão dos nômades para indicar que se parte do acampamento de madrugada.

E essas expressões continuam sendo utilizadas quando Israel está há tem¬pos fixado à terra, vivendo vida de camponês e tendo por ideal viver tranqüilo, “cada um sob sua videira e sua figueira”.

Mesmo que seja menos significativo, deve-se notar também o uso fre¬qüente, na poesia do Antigo Testamento, das metáforas tomadas da vida nômade. A morte é a corda da tenda que foi cortada (ou a estaca que foi arran¬cada), Jó 4.21, ou a tenda que é derrubada, Is 38.12. A desolação é expressa pelas cordas que se rompem, a tenda que é destruída, Jr 10.20, enquanto a segurança é a tenda cujas cordas estão bem esticadas, com as estacas bem firmes, Is 33.20. Para dizer que o povo se multiplica, se diz que se amplia a tenda, Is 54.2. São também numerosas as alusões à vida pastoril, como é fre¬qüente apresentar lahvé ou seu Messias como o bom pastor, SI 23; Is 40.11; Jr 23.1-6; Ez 34, etc. 


VAUX, Roland de. Instituições de Israel no Antigo Testamento. Editora Teológica, 2003.