13 de dezembro de 2017

Diferenças Teológicas Fundamentais entre Israel e seus vizinhos


antigo testamento israel
Bíblia de Estudo Arqueológica


J. A. THOMPSON - O SEGUNDO DISCURSO DE MOISÉS: A LEI DE DEUS (4:44-28:68) (Parte 1)

dez mandamentos antigo testamento
Esta longa divisão de Deuteronômio é realmente 0 coração do li­vro. Ela contém as estipulações da aliança, primeiramente sob a forma de princípios gerais (capítulos 5 a 11), e depois sob a forma de exigências detalhadas e específicas. Tal méto­do apresenta íntima semelhança ao conteúdo dos tratados de suserania do Oriente Próximo em que, depois do prólogo histórico, a exigência fundamental da absoluta lealdade do vassalo ao suserano era expressa primeiramente em termos gerais e depois nas estipulações específicas do tratado.


INTRODUÇÃO AO SEGUNDO DISCURSO DE MOISÉS (4:44-49)

Estes versículos servem ao mesmo propósito que 1: 4, 5, isto é, resumir os acontecimentos históricos que precederam a exigência da ali­ança que viria a ser apresentada. É como se Moisés tivesse retomado a sua tarefa de discursar a Israel depois de um intervalo, e o fizesse com um breve resumo dos eventos históricos anteriores que formavam a ba­se da exigência de Javé.

44, 45. Cada um dos termos lei (tôrâ), testemunhos (,êdüt), estatu­tos (hôq), e ordenanças ou decisões judiciais (mispat) tem sua própria conotação, embora um definição detalhada não faça parte do propósito do autor aqui. Lei indica “ensino” num sentido muito geral. Testemu­nhos denota as estipulações da aliança. Estatutos eram leis escritas ou inscritas em material apropriado. Ordenanças eram as decisões de um juiz.

23 de novembro de 2017

SACERDOTES E LEVITAS História, Funções e cumprimento neotestamentário

antigo testamento, templo, arca, leis
SACERDOTES E LEVITAS
História, Funções e cumprimento neotestamentário

Nome
Apesar dos termos “sacerdote” e “levita” aparecerem centenas de vezes no AT e no NT, há muita divergência entre os estudiosos quanto à identidade, função e desenvolvimento dos indivíduos assim designados. Basicamente o assunto tem amplas consequências sobre a história, adoração e religião de Israel.
A palavra “sacerdote”, com e sem modificadores, aparece mais de 700 vezes no AT e mais de 80 vezes no NT. A palavra usual para sacerdote é kohen. Alguns acreditam que é possível que os sacerdotes do AT fossem, a princípio, adivinhadores (veja kâhin, “adivinhador” em árabe), mas admite que não há evidência no AT de condições extáticas por parte dos sacerdotes. Uma parte importante do ministério deles, porém, era a entrega de oráculos por meio da sorte (Urim e Tumim).
Em Deuteronômio, os sacerdotes são chamados “os sacerdotes levitas”, pois Moisés havia delegado direitos sacerdotais aos filhos de Levi (Êx 32.6ss.; Dt 33; Jr 33.17ss.). O sacerdote seria aquele que se coloca de pé perante Deus para ministrar.

Origens

14 de outubro de 2017

Quiriate Jearim

danilo moraes arqueologia
Bíblia de Estudo Arqueológica

VICTOR P. HAMILTON - A Despedida de Moisés

victor hamilton
A Despedida de Moisés

Deuteronômio 31

À parte dessa mescla de prosa e poesia, outros três itens diferenciam os capitulos 31—34. Um deles é a mudança de enfoque no texto, passando daquilo que Moisés fala, nos capítulos 1—30, para o que ele faz, especialmente no capítulo 31.

Um segundo ponto é que estes últimos capítulos de Deuteronô­mio fornecem um belo contraste com os capítulos de abertura do livro, em Deuteronômio 1—3, em que Moisés começa olhando para o passado, evocando e voltando a relatar eventos históricos de Israel após a saída do Egito. Em contrapartida, nos capítulos 31— 34, ele termina olhando para o porvir, antevendo o futuro de Isra­el e o ministério de Josué após sua própria morte. Dessa forma, Deuteronômio começa com uma reflexão sobre o passado, do qual Moisés fez parte, e termina refletindo sobre um futuro que não contará com sua presença.

O terceiro ponto, bastante peculiar, é que trata-se da única oportunidade, em Deuteronômio, na qual Deus fala diretamente (31.14b; 31.16b-21; 31.23b; 32.49-52; 34.4b; e partes do poema no capítulo 32). No que tange a essa questão, os outros quatro livros do Pentateuco são diametralmente diferentes, com a voz de Deus sendo ouvida em toda parte. Isso não significa que o restante do Pentateuco, com sua prodigalidade de discursos divinos, seja mais ou menos valioso que Deuteronômio, com sua parcimônia nessa área. Deuteronômio é tão divino quanto qualquer outra parte da Torá, exceto que nesse caso a palavra de Deus surge através da voz de Moisés numa proporção jamais vista em outra parte do Pentateuco. Se, por exemplo, os Salmos são originalmente pala­vras humanas (orações direcionadas a Deus) que se tornam a Palavra de Deus, Deuteronômio é a palavra divina emitida atra­vés de voz e recursos humanos.

13 de outubro de 2017

Bere Semes

antigo testamento danilo moraes
Bíblia de Estudo Arqueológica